Oficinas montessorianas celebram a chegada da Primavera 1


*Por Mari Nakata

“Quando as crianças entram em contato com a natureza, elas revelam a sua força.” A frase, de autoria da educadora italiana Maria Montessori (1870-1952), criadora da vertente pedagógica que carrega seu nome, não poderia ser mais verdadeira. E com o final do inverno se aproximando e os dias ficando mais longos, é hora de levar as crianças para os parques e quintais e vivenciar plenamente essa afirmação.

materia montessori para casita

O consultor montessoriano Gabriel Salomão, autor do blog Lar Montessori, ressalta a importância de se incentivar a intimidade dos pequenos com um ambiente mais orgânico: “O amor pela natureza é definido pelo contato que temos com ela na infância. Promovermos essa proximidade nada mais é do que permitir que as crianças interajam com um ambiente naturalmente acessível a elas.”

Para aproveitar as temperaturas mais amenas, que tal convidar os pequenos para oficinas caseiras de arte, culinária e jardinagem, finalizadas por atividades práticas de organização e higiene? Sheila Nogueira, professora do espaço montessoriano Amora – Educação com Amor, preparou uma seleção especial com cinco atividades para, ao ar livre e com materiais simples de serem encontrados, estimular os sentidos e promover a independência, essencial para a conquista da liberdade, das crianças de um e meio a cinco anos.

O professor de espanhol Mauricio Torrealba, 38, pai de Pedro, de dois anos e quatro meses, conta que aplicava em casa, instintivamente, algumas atividades de orientação montessoriana, como deixar frutas lavadas ao alcance do filho, para que ele se servisse quando tivesse vontade, pedir ajuda no preparo da comida e permitir que fossem explorados, com as mãos, elementos como gelo, terra, água e alimentos. Mas, com o começo da vida escolar (Pedro frequenta a Amora desde maio), habilidades como zelar pelos objetos mais frágeis, ajudar a lavar a louça e varrer a casa e servir-se de água ou comida intensificaram-se. “Sinto que a escola é um ambiente adequado para que ele realize tudo aquilo que tem vontade com segurança e orientação, o que é difícil de se conquistar plenamente, em casa, por diversos fatores, entre eles a presença do irmãozinho Lucas, de apenas oito meses, que exige cuidados diferentes com relação à segurança.”

Confira abaixo nossas sugestões de oficinas e, depois de cada brincadeira, não se esqueça de pedir auxílio dos pequenos para limpar e arrumar o material e as ferramentas utilizadas. Divirtam-se! 

Aflorando a veia artística (Preparação da tinta e pintura) – a partir de um ano e seis meses

Habilidade promovida: Coordenação motora fina e grossa, experimentos com texturas

IMG_3839Com cerca de um ano e meio de idade a criança está pronta para iniciar suas experiências com uma única cor de tinta, e nada melhor que um lindo dia de sol para deixar a criatividade fluir sem medo da sujeira. Se for com material atóxico e preparado em casa com a ajuda do pequeno, melhor ainda!

Até os dois anos, deixá-lo tocar e misturar a tinta usando as próprias mãos é a melhor pedida. A partir daí, pode-se introduzir o pincel como uma nova ferramenta para ajudá-lo a explorar a imaginação. E quando a criança começar a dominar o pincel e respeitar os limites do papel é possível acrescentar, uma a uma, novas cores para trabalhar.

Existem várias receitas de tintas caseiras na internet, mas uma sugestão simples e totalmente natural é fazê-las com ingredientes da geladeira como beterraba, hortelã, amora… Com exceção da beterraba, que deve ser cozida antes, as outras substâncias só precisam ser batidas no liquidificador com um pouco de água. Se a criança tiver mais que três anos, vale adicionar à mistura uma colher de cola branca, para melhorar a textura.

O Pequeno escultor (Brincadeiras com argila) – a partir de um ano e seis meses

IMG_3839IMG_3839

IMG_3839

IMG_3839

Habilidade promovida: Experimentos com novas texturas IMG_3839

IMG_3839Manusear um material diferente é uma delícia e garantia de diversão. Permita que as crianças sintam a textura terrosa e a temperatura da argila nas mãos e não se prenda às formas, pois ainda é cedo para esperar por imagens figurativas. A partir dos três anos você pode mostrar como a argila vai ficando ressecada se for manipulada por muito tempo e volta a ser macia com um pouco de água, mas depois de totalmente seca, não pode mais ser moldada.

Jardinando no quintal (Hortinha caseira e Cuidados com o jardim) – a partir de um ano e seis meses)

Habilidades promovidas: Coordenação motora fina e grossa, respeito à natureza

Plantar mudinhas no jardim ou em vasos é uma boa oportunidade para aproximar-se da natureza. Diga o nome daquilo que está sendo plantado e das ferramentas utilizadas e, depois do terceiro ano de vida, mostre também pequenos ciclos da natureza, como a semente que germina e abre suas pequenas folhas para receber a luz.

E depois de dar início à horta é importante incluir na rotina os cuidados com as mudas. Um pouco de água em um regador pequeno é todo o material necessário para a atividade, que demonstra a importância de zelar pela natureza mesmo por meio de pequenos gestos.

Hora do chá (Experiências culinárias) – a partir de dois anos

Habilidade promovida: Sensibilidade para os aromas

Ajudar no preparo do chá é uma excelente experiência para crianças pequenas. Colher, na hortinha doméstica, ervas como cidreira e hortelã, plantadas com a ajuda dos pequenos ou, se não for possível, manusear os ingredientes in natura promove o contato com cheiros, texturas e características físicas das plantas. Em seguida, o adulto ferve a água e mostra como é feita a bebida. Ao degustá-la é interessante ressaltar qual o sabor daquele chá, usando o paladar e o olfato.

Florista em exercício (Pareamento de flores) – a partir de três anos

Habilidade promovida: Associação de imagens

Que tal uma volta no parque para recolher flores caídas no chão? Depois do passeio, o material pode ser separado por cores e formatos e, sempre que possível, receber nomes específicos (no lugar de chamá-las simplesmente de “flores”, use margaridas, crisântemos, violetas…)

livro aves

Catalogando a natureza (Livro) – a partir de um ano e seis meses

Habilidade promovida: Imaginação e Concentração

Depois de secas, as flores recolhidas no parque e pareadas podem render uma atividade extra: virar um lindo livro de imagens, feito com a ajuda de um adulto. A criança escolhe o tema, que podem ser as flores, folhas secas, figuras de aves, répteis ou mamíferos recortadas de revistas e cola, uma por página. Depois é cuidar da capa, que pode ser revestida com pedaços de tecido ou pintada. O cuidador se encarrega de unir todas as folhas, com a ajuda de furador de papéis e fita. Cada categoria do reino animal ou vegetal pode virar um novo volume da coleção. Mas lembre-se de que ainda é cedo para iniciar a alfabetização. Por isso, não é necessário escrever os nomes dos espécimes. Bastam as imagens, que podem ser nomeadas verbalmente sempre que o livro for folheado.


One thought on “Oficinas montessorianas celebram a chegada da Primavera

Os comentários estão fechados.