VOANDO ACIMA DA TEMPESTADE


Quando a Carla me escreveu pedindo para eu mandar um texto para comemorar o mês da mulher, fiquei super feliz e emocionada, pensando “por que eu?”
Sou tão mulher quanto qualquer outra que lerá esse texto, tenho meus medos, desejos, angustias, alegrias e tristezas… tudo ou nada de especial, igual a qualquer outra.. ….naturalmente queria escrever algo legal, então fiz uma reflexão e lembrei de como eu era há 10 anos atrás, quando na época criei uma pagina no orkut e na minha descrição coloquei “sou uma pessoa apaixonada pela vida”… também gostava muito de um texto que falava sobre a águia, que durante a tempestade era a única que ao invés de se recolher em seu ninho, voava acima da tempestade.. o céu era o limite, enfrentava todos os desafios para conseguir o que eu queria, muita determinação especialmente na carreira.. apanhei muito na vida profissional mas aos poucos fui conquistando meu espaço… trabalho desde os 16 anos de idade e sempre lutei pela minha independência financeira, diploma, títulos, viagens, etc.. consegui muita coisa, nada fácil, sempre com muito esforço.. talvez com muita arrogância para uns, humildade para outros.. mas essa sou eu.. uma menina com muitos sonhos e graças a Deus, realizei vários, outros ainda estão na lista de pendências….

Tive várias paixões mais a maior delas que sobreviveu a varias tempestades (igual a águia), me deu de presente um casamento lindo e a vontade de ser mãe!!! nossa aquela Débora que era do “mundo”, se tornou uma esposa dedicada e estava se preparando para ser mãe!!! Que loucura!
Quando vi o teste positivo.. no fundo eu já sabia! Ninguém acredita mas o dia que eu engravidei eu senti, assim como eu sabia desde o inicio que seria um menino, e advinha, veio o Arthur! Nascido de um parto natural hospitalar, eu que não fazia parte desse mundo me convenci que realmente aquele era o melhor nascimento que eu poderia dar ao Arthur.. 12 horas de trabalho de parto, doeu muito, pensei ate em desistir, mas lembrei novamente de “voar por cima da tempestade”.. Arthur nasceu da forma mais linda que deveria… o difícil não foi o parto, foi o pós parto… por alguns momentos me vi sozinha quase que num inicio de depressão.. ninguém pra conversar, nenhum e-mail pra responder, sem nenhum outro problema pra resolver que não fosse xixi, coco, amamentação….  mas adivinha? Veio um convite bacana na internet para visitar a CASITA.. e eu fui! Tudo conspirou contra naquela primeira quarta feira, Arthur com 1 mês e meio.. eu com medo de dirigir, Arthur chorando (gritando), mas fomos eu e ele e foi muito especial para nós! Voltei a me sentir especial, voltei a estar reunida de amigas e entender que por mais que eu me dedicasse para ser uma mãe 100%, tava tudo bem não ser 100%, afinal quem é 100% em tudo?

É f**a ser mulher pois é uma pressão de todos os lados.. se o marido está com a roupa amassada é culpa da mulher que não passou direito.. se a despesa da casa acabou é culpa da mulher que não fez a lista ou que não foi comprar.. se o filho esta chorando com “manha” demais é culpa da mãe (mulher) que mimou demais…

Durante a licença maternidade entendi que não daria para ser aquela mesma profissional “workaholic”, mãe, mulher, esposa, amiga, etc tudo ao mesmo tempo.. alguma coisa teria que mudar, mas eu tinha que mudar algo que não me fizesse deixar de ser eu…

Juntamente com meu marido chegamos a conclusão que não daria para trabalhar há 2 horas de distancia de casa (cada trecho).. mas parar de trabalhar também não me faria feliz.. não seria eu… até que consegui uma mudança de local de trabalho!
Depois de anos na mesma empresa, depois de muitos resultados gerados, consegui uma “transferência” para Santo Andre, e ganhei 4 horas do meu dia que eram gastas no transito, ganhei para curtir minha família, meu filho! .. Arthur foi para o berçário com 4 meses mas nem por isso deixou de mamar exclusivo.. amamentei exclusivamente por 5 meses.. no sexto mês devido alguns estresses do trabalho, não consegui estocar meu leite em grande quantidade.. então Arthur alem do leite materno tomava 1 mamadeira de formula por dia.. no sétimo mês começou com papinha de fruta.. hoje com quase 10 meses ele come de tudo, mas continua mamando igual bezerro e eu ainda estoco leite quando meu peito enche muito… todos me falam que eu devo parar de amamentar.. mas por que? pra que? pra quem?.. ainda ta bom amamentar Arthur então que assim seja.. ate quando não sei!

Na nova atividade profissional, dou meu sangue pra bater as metas de vendas, sou super séria, super dedicada, mas estou a 2 quarteirões de distancia do Arthur.. as vezes vou ao berçário para dar um beijinho nele, amamentá-lo. Quando não posso, curto meu tempo com Arthur da melhor forma a noite… e ate de madrugada. Ele dorme comigo na segunda metade da noite.. na primeira metade sou esposa/ mulher.. e tento curtir com meu marido somente (sem Arthur).. enquanto ele não chora..

O que tenho de diferente de todas as outras mães? nada! Tudo que faço coloco paixão.. e foi assim que consegui bons resultados no trabalho, é assim que ganho sorrisos do Arthur, foi assim que conquistei meu marido e a mim mesma… continuo apaixonada pela vida igual a mesma Débora de sempre.. só que agora com mais idade…

Mãe, filha, esposa, amante, profissional, empregada, empregadora…não sou 100% em nada, mas sou a melhor que eu posso ser em tudo!

Assim como essa Débora, temos as Marias, as Danielas, as Carolinas, as Tatianas, varias mulheres maravilhosas que nos rodeiam..

Beijão a todas,

Débora do Lago Moreti
mãe do Arthur, 9 meses
Diretora STB ABC